Introdução e filosofia

O Drupal é um Sistema Gerenciador de Conteúdo (CMS) altamente configurável, o que permite ao administrador de um site usar vários recursos, além de poder customizar toda a estrutura do site. Sua flexibilidade facilita a criação, de desde blogs pessoais até grandes portais de conteúdo.

A filosofia por trás do Drupal é criar um equilíbrio entre flexibilidade e simplicidade: Se o sistema é muito simples, não será possível usá-lo para aplicações mais complexas. Se o sistema é muito flexível, usá-lo será muito difícil para os iniciantes.

Algumas características:

  1. Um sistema de privilégios: Ele torna possível ter, dentro de uma mesma instalação, diferentes usuários, cada um com permissões diferentes. Logo, por exemplo, pode-se ter usuários que podem gerenciar partes diferentes do mesmo site, o que facilita a administração e cria limites para o que usuário pode alterar.
  2. Um sistema de módulos: Os módulos são blocos de código que trazem funcionalidades extras ou refinamentos em características já existentes.
    • Alguns módulos já são instalados por padrão no Drupal. Estes são os módulos padrão.
    • Em contrapartida, existem módulos que podem ser baixados, cada um, e instalados separadamente. Estes são os módulos “contribuídos”.
  3. Temas: O Drupal traz um visual básico, mas você pode alterá-lo usando o recurso de temas. Alguns temas são disponibilizados na instalação padrão do Drupal, e outros podem ser baixados da Internet, e instalados caso haja necessidade.

Esse simples conjunto de funcionalidades traz flexibilidade e simplicidade ao Drupal: O que será visto no site depende do que o(s) administradore(s) escolheram apresentar.

Principais conceitos

Módulos

Conforme explicamos acima, os módulos são blocos de código que podem ser agregados ao Drupal, e podem estender as suas características e/ou a sua funcionalidade. Temos dois tipos de módulos: os módulos padrão e os módulos “contribuídos”.

Usuários

Cada visitante, seja anônimo ou não, é um usuário para o Drupal. Os usuários anônimos são identificados por números de identificação. Os usuários não-anônimos recebem também um nome e um email, e podem ter suas funcionalidades ampliadas pelo administrador, que faz isso a partir da ferramenta de gerenciamento de usuários.

Permissões e papéis

Usuários anônimos tem número de identificação 0. O administrador do site tem número de identificação 1, e outros usuários, com diferentes níveis de permissão, tem outros números de identificação.

O administrador define as permissões que usuários podem ter a partir dos papéis definidos para esses mesmos usuários. Por exemplo, o administrador cria o papel de “Editor de Conteúdo” e define as permissões que esse papel pode ter, e com isso o que eles podem ou não fazer no site. O administrador também associa esse papel aos usuários que ele deseja que os tenha. Com isso, esses usuários poderão cumprir esses papéis.

Nós

No Drupal, um nó é um pedaço de conteúdo no site. Esses nós podem ser organizados e associados, da mesma forma que associamos as páginas em um livro, os tópicos de discussão em um fórum ou as entradas em um blog. Cada nó pode ter características únicas, como um número de identificação, um título, data de criação, autor e outros. Caso você queira, existem módulos para o Drupal que estendem essas características dos nós, e acrescentam novas características a estes nós.

Comentários

O comentário é um trecho de texto submetido por um usuário, falando o que achou a respeito de alguma informação apresentada no site. Esse comentário é sempre vinculado a um nó.

Taxonomia

Taxonomia é um sistema de classificação de conteúdo. Essa taxonomia é definida por palavras, que servem como os índices dos nós. O conjunto dessas palavras, ou verbetes, é o que chamamos de vocabulário, que pode ser de dois tipos:

  • O vocabulário plano é criado de acordo com a sua necessidade: Conforme você vai adicionando palavras, ele vai sendo ampliado. Logo, assim você pode associar palavras a esses nós, e com isso classificar e identificar o conteúdo do nó. Um conceito semelhante a esse tipo de vocabulário são as tags (etiquetas) de posts, que encontramos por exemplo no WordPress.
  • O vocabulário hierárquico, por sua vez, é previamente definido, mas pode posteriormente sofrer adições. A idéia por trás desse vocabulário é que você pode organizar o conteúdo com base na herarquia de assuntos. Por exemplo, debaixo da expressão Gerenciador de Conteúdo você pode ter as expressões Drupal, WebFácil e Joomla. As três expressões indicam sistemas gerenciadores de conteúdo disponíveis na Hostnet, e com isso, mesmo que o usuário não saiba o nome de um sistema de gerenciamento de conteúdo, ele pode procurar os possíveis sistemas e encontrar aquele que lhe interessa. Um conceito semelhante a esse tipo de vocabulário são as categorias de posts, que encontramos por exemplo no WordPress.

Caminho

O caminho é a parte do endereço do site que está depois do endereço-base. Por exemplo, se seu site é http://www.comocriarmeusite.com.br/node/3243, o endereço-base é http://www.comocriarmeusite.com.br, e o trecho node/3243 é o caminho. Existem módulos para o Drupal que podem tornar o endereço (URL) mais amigável, caso seja do interesse do administrador. Em particular, essa opção pode ser interessante para facilitar a indexação em sites de busca, como Google, Bing e Yahoo!, caso seja desejável.

Tema

O tema é um conjunto de propriedades, escritas em PHP, que definem como o seu site será exibido. No tema, todos os elementos do site, como botões, regiões, blocos, menus, widgets, entre outros, tem definidas as suas características, como cor, forma de apresentação, propriedades, entre outros. Logo, sendo mais técnico, no tema temos todos os arquivos CSS, que trazem as definições de layout, cores, fontes e estilos para a página em si.

Região

As páginas de um site gerenciado pelo Drupal são divididas em regiões, que podem conter as seções descritas abaixo, como as barras laterais, o conteúdo principal, o cabeçalho e o rodapé. Mas o tema empregado pode criar seções adicionais, dentro dessas regiões.

Seções

Uma página no Drupal é basicamente composta de cinco regiões, a saber:

  1. Left sidebar, ou barra lateral esquerda.
  2. Right sidebar, ou barra lateral direita.
  3. Content, ou conteúdo principal.
  4. Header, ou cabeçalho.
  5. Footer, ou rodapé.

Blocos

Os blocos no Drupal são trechos de informação apresentados nas regiões do site. A diferença dos blocos para as seções é que esses podem podem ser, por exemplo, um menu sensível ao contexto, os tópicos mais acessados do fórum hospedado (que é a saída de um módulo), ou uma lista de eventos que virão a acontecer (que pode ser dinâmico ou estático). Os blocos podem ser definidos por temas, e serão inseridos nas seções que definimos acima.

Menu

Há três tipos de menus padrão no Drupal: Menu primário, menu secundário e navegação. Os menus primário e secundário podem ser customizados e organizados pelo administrador, e normalmente são usados para navegação no site. Muitos sites hoje em dia colocam os menus no cabeçalho da página, justamente para estarem sempre visíveis. Caso não estejam, há como habilitar a opção no seu bloco.

As formas possíveis de customização dos menus são:

  • Reordenando opções, atribuindo pesos a elas.
  • Adicionando e removendo itens.
  • Trocando o título do link – a dica que aparece quando colocamos o mouse sobre o link – sem clicá-lo.

Tipos de conteúdo

Uma página pode ter vários tipos de conteúdo, como notícias, posts em blogs, pesquisas, entre outros. Para o Drupal, cada nó tem um tipo de conteúdo já definido, há essa relação intrínseca entre eles. Na instalação padrão do Drupal, os tipos “Página” e “Estória” já são definidos, mas outros tipos são definidos pelos módulos padrão do Drupal, que são:

  1. Entrada (post) num blog – Um post feito num blog.
  2. Página de um livro – O livro é um trabalho colaborativo, e que pode ser editado por múltiplos usuários. Segue um conceito parecido com o das wikis.
  3. Comentário – Um texto enviado por um usuário, anônimo ou não, em resposta a um post no blog, por exemplo.
  4. Fórum – Uma área criada para que usuários cadastrados possam colocar mensagens e travar diálogos.
  5. Página – As páginas são usadas para inserção de conteúdo estático.
  6. Pesquisa – Resultados de pesquisa feita no site.
  7. Estória – A estória é usada para informação cuja relevância decresce ao longo do tempo. Isso vale, por exemplo, para notícias.

O administrador pode criar seu próprio tipo de conteúdo também, caso prefira. Por exemplo, há o desejo de separar os conteúdos que os usuários criaram, em “Notícias” e “Artigos”. Embora ambos sejam do tipo Estória, pode ser melhor para o administrador para poder organizar o material. O Drupal dá essa facilidade e muitas outras.

Edição e visualização do site

Ao contrário de outros sistemas de gerenciamento de conteúdo (CMS), o Drupal tem uma interface unificada, onde a visualização e a edição de página são a mesma coisa. Logo, a edição é feita diretamente sobre a página, numa forma de visualização semelhante ao que é visto por um usuário anônimo. O que difere é um conjunto de controles e itens de menu, que permitem a edição para usuários autorizados. Usuários autenticados podem editar a página, basta observar o botão de edição que está sobre a página e acioná-lo.

Logo, se você nunca usou um CMS, o Drupal pode ser uma boa opção, já que não há a distinção entre páginas de edição e visualização: O que você vê é o que você obtém.

As URLs do Drupal

Falamos de endereços acima, e como eles são vistos pelo Drupal. Os caminhos do Drupal são importantes porque muitas telas de configuração na área administrativa a usam, por exemplo, para adicionar uma nova página a um menu. Aqui vão alguns exemplos que você pode ver um site gerenciado pelo Drupal:

  • node/7
  • admin/content/comment
  • user/login
  • taxonomy/term/6
  • user/3

A URL pode ter várias formas, como:

Tipos de usuários do Drupal

Ao instalarmos o Drupal, o banco de dados é automaticamente criado, e toda essa parte é resolvida para nós. Portanto, não precisamos nos preocupar com usuários no banco de dados. Mas, conforme falamos anteriormente, existem dois tipos de usuários no Drupal:

  1. O usuário/1, ou administrador, é o usuário que é criado logo que a instalação é concluída. Essa conta está relacionada ao seu site apenas, e é diferente das outras por não ter limitações relacionadas às permissões. Esse usuário não deve ser relacionado a uma pessoa em específico, mas é recomendado que ele seja reservado para uso apenas para gerenciamento do Drupal e do site gerenciado por ele. Logo, é uma boa prática não usar esse usuário para gerar conteúdo.

  2. O usuário/2, ou usuário comum, são usuários criados pelo administrador e que são associados com uma pessoa. Esses usuários registrados podem ser associados a papéis definidos pelo administrador. Esses papéis podem ser ajustados para que o conjunto de permissões definidos permitam que os usuários adicionem conteúdo e colaborem na administração do site.

Maiores informações a respeito do Drupal

Além dos tutoriais da Hostnet, existem vários sites com material para quem quiser se aprofundar nesse CMS. São eles:

  1. Drupal Sites (http://www.drupalsites.net/): Nesse site, temos uma lista de sites gerenciados pelo Drupal, espalhados pelo mundo todo.
  2. Drupal Modules (http://drupalmodules.com/): Nesse site, podemos encontrar resenhas, análises e um ranking dos módulos para o Drupal feito por terceiros.
  3. The Theme Garden (http://themegarden.org/drupal/6/): O Theme Garden é focado em temas para o Drupal. Logo, é possível conhecer novos temas para o seu site, e até experimentá-los, numa área disponível para demonstrações.
  4. Lullabot Podcast (http://www.lullabot.com/ideas/podcasts): Uma das novas ondas da Internet é o podcast, que pode ser rapidamente explicado como “um programa de rádio via Internet”. O Lullabot Podcast é um desses programas semanais, com duração entre 30 e 90 minutos, cujo foco é o Drupal. Logo, dicas, assuntos, entrevistas… Tudo sobre Drupal, em inglês.
  5. Groups.Drupal.org (http://groups.drupal.org/): Nesse site encontramos vários grupos de usuários do Drupal, separados por países ou tópicos de interesse, como módulos, por exemplo.
  6. Drupal.org – seção de módulos (http://drupal.org/project/modules?solrsort=sis_project_release_usage%20desc): Nessa seção do site Drupal.org você pode conhecer novos módulos para usar com a sua instalação do Drupal. Você pode inclusive filtrar os módulos com base no seu uso, o que pode ser um diferencial na hora de escolher um módulo novo: Você pode usar aqueles que tem sido mais adotados, o que traz segurança.

Páginas Relacionadas