O que é cache e como ele ajuda na otimização do site?

O que é cache e como ele ajuda na otimização do site?

Seu objetivo é diminuir o volume de dados que são enviados do servidor onde seu site está hospedado para o navegador do cliente. Menos dados resultam numa transmissão de dados mais curta, menos tráfego gerado e menos tempo consumido.

O que é cache?

O cache (ou buffer) é um recurso amplamente usado computação, e consiste em armazenar uma cópia da informação em uma memória que responde mais rapidamente. Assim, quando essa informação for solicitada, será fornecida esta cópia que está nessa memória mais rápida. Assim, todo o conjunto ganhará em performance.

No caso de sites, o uso de cache poupa processamento e consultas aos bancos de dados, e são muito usados para conteúdos que são acessados com frequência. O cache é armazenado para que outros clientes acessem esse conteúdo mais rapidamente, economizando tempo e uso desnecessário do hardware do servidor.

Tipos de cache

Existem diversos tipos de cache em uso no computador. No processador, por exemplo, existem até 3 níveis de cache: L1, L2 e L3, cada um com as suas características específicas. Existe também cache para a memória ou mesmo o cache de disco – que cada disco rígido contém; o cache do navegador, também conhecido como “Arquivos Temporários de Internet”; e tantos outros. Todo tipo de cache tem por função acelerar o desempenho, seja da máquina, da aplicação ou do site. E com isto, o tempo de resposta diminui.

Nos sites, podemos usar caches pelo lado do servidor, caches pelo lado do website ou ambos. O cache pelo lado do servidor funciona fornecendo conteúdo estático, ou seja, que não sofre alterações. A maioria das imagens e dos vídeos são desse tipo de conteúdo. Assim, o servidor avisa ao navegador do cliente que não é preciso baixar certos conteúdos sempre que for feito o acesso: ele usa a mesma imagem várias vezes.
Já no caso do cache pelo lado do website, o software que gerencia este website salva o resultado de alguns conteúdos mais comuns. Assim, mesmo que outro cliente acesse a mesma página, esse resultado não será refeito, pois ele já está no cache.

Normalmente, é preciso instalar um plugin de cache no software gerenciador de conteúdo. Software como WordPress; Magento; Joomla; Drupal e muitos outros têm extensões (plugins) capazes de gerar esse cache de forma automática, e também podem ser configurados.

Técnicas empregadas por plugins de cache do WordPress

O WordPress tem uma quantidade imensa de plugins. São mais de 55 mil plugins disponíveis, com diferentes propósitos. E existem vários plugins para otimização de sites. Aqui, iremos falar de alguns deles, mas antes vamos nos deter em algumas características muito importantes:

  • Cache de página: o plugin cria e gerencia versões estáticas das páginas mais acessadas de um site. Logo, quando o usuário acessar essa página, não será necessário processá-la; o serviço já terá sido feito. Alguns permitem que você inclusive fixe um prazo para que o cache expire. Outros podem fazer cache de feeds RSS, RDF e Atom.
  • A minificação é basicamente uma “faxina” no código HTML, CSS e JavaScript, removendo caracteres desnecessários, espaços em branco e outros conteúdos. Assim, o tamanho dos arquivos diminui.
  • Compressão HTTP: o plugin combina todos os arquivos para formarem um arquivo só, maior, do que vários arquivos pequenos. A sobrecarga é maior quando enviamos vários arquivos menores, ao invés de um arquivo grande.
  • O cache do banco de dados é tão importante quanto o cache de página. O WordPress faz requisições ao banco de dados, e vez por outra são as mesmas requisições. Logo, o plugin monta um cache dessas requisições, e quando o WordPress precisa, ela já está pronta. Isto diminui o uso do hardware, e acelera o desempenho como um todo.
  • Manipulação de cabeçalhos: sempre que o navegador for acessar uma página, ele irá primeiro consultar a sua área de arquivos temporários para ver se o site já está ali, salvo. Se sim, ele entrega o conteúdo que ali está, ao invés de acessar o site. O plugin pode mexer nos cabeçalhos das páginas, de forma a instruir o navegador a preservar esse conteúdo temporário por mais tempo.
  • Alguns plugins tem integração com serviços de CDN, o que permite que o desempenho seja maior, assim como um desejável aumento em segurança.
  • E é necessário que estatísticas sejam feitas, para que saibamos o ganho que tivemos no desempenho do nosso site, e onde podemos mexer para obtermos melhor ganho.

Vamos então falar sobre alguns plugins:

Plugins de cache para o WordPress

O primeiro deles é o W3 Total Cache. Este plugin tem diversos recursos: cache do navegador, cache da página, minificação, integração com serviços de CDN, entre outros. Este é um plugin muito conhecido e respeitado.

Outro muito conhecido é o WP Super Cache. Ele produz arquivos HTML estáticos, a partir do conteúdo gerenciado pelo CMS. Logo, quando o usuário acessar o site, ele receberá uma página HTML já formatada e preparada para ser aberta pelo navegador. Este plugin também é muito conhecido e usado.

O Comet Cache é um plugin que faz um cache do site como um todo. Página, post, categoria, link, imagem… Tudo vai pro cache gerado por ele. É possível, por exemplo, estipular um tempo de vida para o cache – e depois, os arquivos são apagados. Também é possível fazer cache de feeds RSS, gerar estatísticas, usar CDN em conjunto com o Comet Cache, entre outras coisas. Seu foco está na simplicidade.

O LiteSpeed Cache tem por objetivo ser uma solução tudo-em-um, unindo um cache do lado do servidor a um conjunto de otimizações, que serão feitas do lado do cliente. Entre elas temos a minificação de HTML,JavaScript e CSS; geração de CSS de forma automática, caso seja necessário; gerência do cache do navegador; otimização para o banco de dados; pré-carregamento para o DNS, entre outras características. Ele tem uma versão paga, com características exclusivas.

Não podemos deixar de citar o WP Rocket. Este plugin também funciona como um cache para o seu site, de forma sofisticada: segundo os desenvolvedores, eles empregam 80% das boas práticas para performance na Web de forma automática. Ele faz cache das páginas e dos seus conteúdos; faz o pré-carregamento dos arquivos; reduz o número de requisições HTTP e emprega compressão de dados, com fins de diminuir a largura de banda utilizada (e o tempo de download); entre outras coisas. O WP Rocket tem uma versão gratuita e outra mais completa, paga.

Por último, vamos citar o WP Fastest Cache. Este plugin se propõe a ser o mais simples de todos, com uma configuração simples e rápida, permitindo fazer cache para usuários que estão conectados ao CMS e a usuários de dispositivos móveis; criação de cache de forma automática; ajuste do tempo de vida para conteúdos específicos; suporte a CDN e SSL, entre muitos outros.

Podemos citar outros plugins como o Breeze, o Autoptimize, o Hyper Cache e outros. Estes acima estão entre os mais bem avaliados, e mais usados. 

 

Este artigo faz parte de uma série sobre otimização de sites. Acompanhe o nosso blog. 

Links Relacionados: 

https://www.hostnet.com.br/blog/o-que-e-otimizacao-de-site-e-para-que-serve/

https://www.hostnet.com.br/blog/otimizar-banco-de-dados-para-wordpress/

https://www.hostnet.com.br/info/como-acelerar-seu-site/

https://www.hostnet.com.br/ebook/

 

 

Category : Notícias
Tags :
Um Comentário
  1. GRU

    Muito obrigado pela informação! Era justamente o que eu estava procurando. Continuem assim, divulgando informação útil, super detalhada e grande valia.

Write a Reply or Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *