Skip to content

Mulheres, ciências e tecnologia sempre andaram juntas, mas ainda é pouco

Anualmente o Dia Internacional das Mulheres é celebrado em 08 de março. Neste dia, em 1917, em São Petersburgo na Rússia, começou uma greve de operárias têxteis. Tomando as ruas, o evento cresceu, alcançando 90 mil pessoas, quando manifestantes que protestavam contra a guerra, a fome e o governo aderiram ao movimento. Esse foi o gatilho para a Revolução Russa que veio logo em seguida.

Praticamente um século depois, em 2016, em prol do acesso e da participação feminina plena e igualitária na ciência, da igualdade de gênero e do empoderamento, a Assembleia Geral da ONU declarou 11 de fevereiro como o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência. Na época, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou que “a ciência é uma disciplina de cooperação, mas que está sendo contida por uma lacuna de gênero” e destacou que “meninas e meninos têm bons desempenhos em ciências e matemática, mas apenas uma fração das estudantes no ensino superior optam pelas ciências.”

Sabe-se que menos de 30% dos pesquisadores científicos do mundo são mulheres. No Brasil, de acordo com dados da Brasscom – Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação – apenas 20% dos profissionais do segmento de TI são mulheres.

Desmontar estereótipos de gênero ainda é uma tarefa urgente nos dias atuais. Na verdade, é preciso que se fomente um desenvolvimento de carreira mais favorável para mulheres cientistas e pesquisadoras.

A prova maior de que a ciência e masculinidade constituem um binômio altamente refutável é que, ao longo da história da humanidade, célebres mulheres marcaram seus nomes como pesquisadoras, inventoras e fomentadoras de ciência e tecnologia. Citemos algumas:

  • Catarina, a Grande – Rainha da Rússia – viveu de 1729 a 1796 – era amiga de Voltaire, importou cientistas e separou o Estado da fé;
  • Ada Lovelace (falamos dela ano retrasado) – 1815 a 1852 – foi a  primeira “programadora” da história;
  • Nancy Johnson – em 1843 – inventou a máquina de sorvete, patenteando um projeto que ainda é usado atualmente;
  • Margaret Knight – em 1871 – criou a máquina que poderia produzir sacos de papel de fundo quadrado. Além disso,  ainda criança, com apenas 12 anos, ela inventou um dispositivo de segurança para fábricas de algodão que ainda é usado;
  • Maria Beasely – em 1882 – inventou o bote salva-vidas e uma máquina (de muito sucesso) para fazer barris;
  • Josephine Cochrane – em 1887 – inventou a lava-louças e abriu sua própria fábrica;
  • Margaret A. Wilcox – em 1893 inventou o primeiro aquecedor de carro. Ela também inventou uma lavadora de roupas e louças – tipo dois em um!
  • Florence Parpart – em 1914 – inventou a moderna geladeira elétrica. Em 1900, ela também patenteou uma versão melhorada de máquina para limpar as ruas, que ela mesma vendia em várias cidades dos Estados Unidos;
  • Alice Parker – em 1919 – inventou um sistema de aquecimento central a gás e inspirou os sistemas de aquecimento que vieram a seguir;
  • Hedy Lamarr (também já a homenageamos) – durante a Segunda Guerra Mundial, inventou um sistema secreto de comunicações para torpedos rádio-controlados, utilizando tecnologia de “salto em frequência”. A invenção dela estabeleceu as bases tecnológicas para tudo, do WI-FI ao GPS. Paralelo a isso, ela foi uma estrela de cinema mundialmente famosa.
  • A física e pioneira em energia solar Maria Telkes e a arquiteta Eleanor Raymond – em 1947 – construíram a primeira casa aquecida inteiramente por energia solar;
  • Katherine Johnson – em 1962 – foi uma matemática, física e cientista espacial norte-americana. Fez contribuições fundamentais para a aeronáutica e exploração espacial dos Estados Unidos, especialmente em aplicações da computação na NASA. Contribuindo, com louvor, para o projeto de lançamento do astronauta John Glenn para o espaço, em 1962 – a história é contada no filme “Estrelas Além do Tempo” (2016);
  • Mary Kenneth Kellerfreira e cientista da computação, foi a primeira mulher a receber um diploma de doutorado em computação (1965) – sua tese chama-se Inferência indutiva em padrões gerados por computador”; 
  • Marie Van Brittan Brown– 1969 – responsável pelo sistema de monitoramento inventado para televisão em circuito fechado. Sua invenção constitui a base para os sistemas de CFTV usados para segurança doméstica e trabalho policial hoje;
  • A física teórica Dra. Shirley Jackson – em 1973 – foi a primeira mulher negra a receber um Ph.D. do Massachussets Institute of Technology (MIT). Realizou uma pesquisa científica revolucionária que permitiu que outras pessoas inventassem o fax portátil, o telefone de teclado, as células solares, os cabos de fibra ótica e a tecnologia por trás do identificador de chamadas e a chamada em espera;
  • A química Stephanie Kwolek – inventou a fibra de Kevlar super forte, cinco vezes mais forte do que o aço, usada para fazer coletes à prova de balas e tem mais de 200 outras utilidades;
  • A contra-almirante da Marinha dos EUA e cientista Grace Murray Hopper (uma querida da Hostnet) – em 1959 – inventou o COBOL, o primeiro programa de software de computador fácil de usar. Curiosamente, foi a primeira pessoa a usar o termo “bug” para descrever uma falha em um sistema de computador, depois de encontrar uma traça real causando problemas em seu computador.

Concluímos que…

Homens ocupando postos e recebendo reconhecimento em Ciência e Tecnologia é uma questão histórica. Desde cedo, são mais estimulados a pensar racionalmente, a tomar as decisões, a serem pragmáticos. Já adultos, tendem a optar por áreas mais técnicas, enquanto as mulheres ocupam a maior parte das profissões da área de humanas. Mulheres e meninas precisam de espaço, de estímulo e de reconhecimento em áreas relacionadas à pesquisas e invenções. As capacidades são iguais às masculinas, mas as oportunidades e o fomento não!

A Hostnet apoia ações de estímulo à pesquisa, desenvolvimento e empreendedorismo feminino. Afinal, com tantas referências icônicas como poderíamos pensar e agir de outra forma? Só não reconhece quem não quer…

Homenageamos e agradecemos a todas as mulheres, com destaque as que fizeram e fazem parte da empresa (colaboradoras e clientes); do ramo empreendedor (em especial nossas franqueadas) e do mundo da tecnologia. Todas merecem reconhecimento por suas conquistas, vivências e lutas. Para completar, fica a mensagem: acreditamos que ao educar as crianças deveríamos desenvolver seus dons e focar em seus talentos e jamais nos papéis de gênero. 

Links Relacionados: 

https://www.hostnet.com.br/blog/o-dia-internacional-da-mulher-e-a-tecnologia-das-ti-girls/

https://www.hostnet.com.br/blog/empreendedoras-se-destacam-como-franqueadas-hostnet/

Deixe um Comentário





Mais Notícias

Renata-Azevedo-Joao-Gesto-franqueado-hostnet-barra-da-tijuca

Casal de cientistas inaugura unidade da Hostnet na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro

loja-virtual-hostnet

Loja Virtual Express: sua empresa na Internet em até 5 dias

insights-conference

Insights Conference reunirá experts do mercado criativo. Evento online e gratuito!

criar-loja-virtual

Compras pela Internet disparam, prepare a sua loja virtual para vender

hostcast-2

Assine nossos FEEDS